Muito barulho por nada

Pedro Leopoldo foi palco de espetáculo imperdível. Peça de Shakeaspeare com adaptação de Amélia Passos e Mariana Maier. No elenco, Tiago Leles, Silvia Duarte, Mara de Pelau, Rodrigo Miguez, Gustavo Magalhães, Deborah Dinelli, Jonathan Henrique, Amélia Passos e Elisângela Melo.
teatro e comedia

FICHA TÉCNICA –
TEXTO – Muito barulho por nada
Autor – William Shakespeare
Adaptações – Amélia Corrêa Passos e Mariana Maier
Iluminação – Mariana Maier e Sérgio
Produção Musical – Emisax Música para eventos
Figurinos e Cenário – Luiz Carlos Júnior
Costureira – Marlene Cunha Pereira
Produção Executiva – Ponto de Cultura – Lupa, Associação Comunitária São Sebastião, Asser em parceria com Teatro Encomendado.
Parabéns aos organizadores, atores, preparadores, colaboradores e apoiadores. Um espetáculo memorável para todos os que assistiram.

Anúncios

Amélia Corrêa Passos em Os irmãos Siameses, Teatro Icbeu, BH, de 22/06 a 15/07

Todos estão convidados a prestigiar Amélia Correa Passos em Os irmãos Siameses.  Amélia tem grande trajetória no  Teatro em Pedro Leopoldo, iniciando com o Grupo de Teatro dos Meninos, com Dimir Viana, depois com o Grupo Albatroz. Fundou o Teatro Encomendado e também integra o Verbo Cia de  Teatro, advindo do  Teatro Universitário da UFMG. O  Blog Cultura de Pedro Leopoldo parabeniza à grande equipe de Os irmãos Siameses, em especial à Amélia pelo excelente trabalho!

Escrito por Tristan Bernard, pseudônimo de Paul Bernard, o conto “A História de Dois Irmãos Siameses” (em domínio público) narra a história de dois irmãos que, ainda que ligados fisicamente, apresentam as diferenças inerentes a cada ser, partilham, da melhor forma possível, todos os aspectos de suas vidas, até que se apaixonam pela mesma mulher.

“Dois irmãos de almas opostas unidos pela carne e pelo destino. Uma mulher entre eles. Seres estranhos como nós que nos pretendemos perfeitos e se possível eternamente belos. Somos? É preciso aprender a viver com o diferente mesmo porque o diferente pode ser a gente. Ou não?”

Os irmãos Siameses retrata a história da Família Zoffáni, trupe de teatro, que encena há 25 anos, o melodrama “Os Irmãos Siameses ou Eu e Tu, Tu e Eu”. A peça faz uso de iguais, Os Siameses, para evidenciar as diferenças das pessoas, e entre as pessoas e a relação de interação entre nós.

Numa época em que o ser humano é visto como um produto em série: como os mesmos desejos, a mesma forma de agir e as mesmas conexões, a peça propicia, através da interdependência entre os personagens, a oportunidade de visualizar e entender os seres humanos não como desiguais, mas como únicos.

O respeito às diferenças, é a grande metáfora a que se propõe o espetáculo.

A montagem

Gêmeos Siameses? Aberrações Humanas? Humanas?  Hoje nascimentos dessa natureza são muito abordados pela mídia, porém eram considerados anteriormente como aberrações, dignas da execração pública.  O espetáculo “Os Irmãos Siameses, ou Eu e Tu, Tu e Eu” da Verbo Cia. de Teatro,  através de uma forma jocosa, engraçada e ao mesmo tempo densa e poética, traz a cena de modo fantástico ou surreal, conceitos essenciais a serem debatidos em nossa cultura contemporânea, como a relação entre personagens que, com desvio acentuado de um padrão estético normal, desafiam o contexto social no espaço cotidiano e ressaltam de maneira tragicômica seus desejos, sua individualidade, e seu direito de independência. O diferente é também natural sobrepõe-se à ideologia dominante que valoriza o belo, a juventude, o moderno, a moda, o êxito no amor, etc.

A encenação foi construída nas linguagens: tragicômica\ melodramática e realista. A peça consta de dois atos, o primeiro apresenta personagens grotescos, bufônicos e misteriosos que foram construídos com base no exagero e no jogo dos bufões. E no segundo ato há momentos que a linguagem é realista e outros de realismo fantástico. Surgirão em cena nos dois atos, formas interessantes que dão vida a figuras enormes, transfiguradas, fantásticas, onde o corpo inteiro torna-se uma máscara, e tornam-se corpos bufonescos. O espetáculo possibilita a discussão e o olhar sobre valores éticos, sociais e culturais. A relação de interdependência entre os personagens propicia a oportunidade de ressaltar a diferença inerente ao ser humano, não como ser desigual, mas como ser único. Ao falar sobre as minorias, no caso os siameses, estamos consequentemente levantando questões inerentes aos mesmos e às outras minorias da sociedade, como os anões, obesos, aos que sofrem de gigantismo ou que tem qualquer outra peculiaridade que os diferencia da sociedade como um todo.  E como é pensada a existência destas pessoas dentro de uma sociedade consumista, pragmática, cujo o apreço e a constante valorização das questões estéticas, financeiras, etc, se sobrepõem ao caráter humano, no que diz respeito à individualidade, especificidades e potencialidades.

Ficha técnica

Elenco:
Amélia Corrêa: Bodofélia Zoffáni
Anair Patrícia: Belarmina Zoffáni
Elisângela Souza: Bergoníxia Zoffáni
Janaina Starling: Barbaróxia Zoffáni
Jair Gomes: Bederzólio Zoffáni, Avó
Luciano Vivacqua: Bogosmeu Zoffáni

Texto: “Os Irmãos Siameses ou Eu e Tu, Tu e Eu”
(Inspirado Livremente no conto A História de Dois Irmãos Siameses)
Adaptação e Dramaturgia: Fernando Limoeiro
Direção: Antônio Rodrigues
Assistente de Direção: Elisângela Souza
Cenário, Figurino, Maquiagem e Adereços: Adriano Borges e Fabrício Belmiro
Cenotécnico: Geraldo Belmiro
Costureiras: Maria do Carmo Veríssimo e Silma Meca
Trilha Sonora: Fabrício Belmiro e Vitor Diniz
Letras das Músicas: Fernando Limoeiro
Música Incidental: Fabrício Belmiro e Vitor Diniz
Músicos: Fabrício Belmiro, Sérgio Geléia, Vitor Diniz
Operador de Som: Bruno Nigri
Iluminação: Geraldo Octaviano
Operador de Luz: Rosilda Figueiredo
Preparação Corporal: Anair Patrícia, Antônio Rodrigues e Luciano Vivacqua
Preparação Vocal: Elisângela Souza e Janaina Starling
Fotografa: Daniela Amaral
Assessoria de Imprensa: Astronauta Comunicação – Adilson Marcelino e Lucas Ávila
Programador Visual: João Andere
Produção Administrativa: Luciana Freitas
Assistente de Produção: Elisângela Souza
Produtor Executivo: Jair Gomes
Patrocínio: Fundo Municipal de Cultura
Realização: Verbo Cia de Teatro